quinta-feira, 10 de dezembro de 2015

Renascer ou reencarnar?

Em Missionários da Luz, André Luis, pela psicografia de Chico Xavier, nos relata fatos surpreendentes. Convidado pelo instrutor Alexandre, observa o desenrolar do fenômeno da reencarnação de Segismundo, que envolve trama de longa data, onde ele, Adelino e Raquel – seus futuros pais – foram protagonistas de dolorosa tragédia. Na caminhada dos séculos a reencarnação é sempre mais um capitulo na busca do equilíbrio e da evolução espiritual de cada um de nós. Dentro dessa perspectiva foi criado no espaço, pelo Plano Espiritual Superior, dentre outras de que nos fala André Luis, uma colônia denominada “Planejamento da Reencarnação”, onde trabalham Espíritos evoluídos e altamente gabaritados, como os engenheiros da genética, por exemplo, a fim de que seja estudado e elaborado cada processo reencarnatório isoladamente. Emmanuel, prefaciando o livro “Missionários da Luz” a que nos atemos, afirma: “Leitor amigo, André Luis vem, uma vez mais, ao teu encontro, para dizer-te algo do serviço divino dos ‘Missionários da Luz’, esclarecendo, ainda, que o homem é um Espírito Eterno habitando temporariamente o templo vivo da carne terrestre (...)”. Os Espíritos do Planejamento da Reencarnação têm um serviço muito importante nesta colônia espiritual, onde André Luiz é acompanha todo o processo reencarnatório de Segismundo. A partir daí ele nos relata a trama maravilhosa que envolve esses abnegados trabalhadores do Senhor, a fim de que possamos reencarnar numa nova chance de resgate, crescimento e evolução. A maioria das reencarnações, explica o instrutor a André, se processa de forma padronizada, como neste caso, outras têm processos diferentes, como no caso de Espíritos Missionários que a solicitam e outros ainda, de Espíritos rebeldes e profundamente devedores que necessitam da Reencarnação Compulsória. A reencarnação, na maioria das vezes desencadeia processos difíceis na nova experiência, de vez que temos necessidade da luta que nos corrige e aperfeiçoa. André encanta-se com o respeito da Espiritualidade em torno de cada elemento formador do novo corpo, importante morada do Espírito, que Jesus classificara como templo do Senhor. Observa os especialistas em biologia e embriologia, elaborarem um mapa genético a cada reencarnante, de acordo com o que deverá vivenciar. “A hereditariedade, se preciso, sofre a influência do Plano Espiritual, podendo ocorrer certas modificações à matéria na parte embriológica, determinando alterações favoráveis ao trabalho de redenção de que necessite.” Acompanha os mapas cromossômicos percebendo que um deles trazia imagens da moléstia do coração que sofreria na idade adulta, como conseqüência de falta cometida no passado, com grandes perturbações dos nervos cardíacos, explicando: “Cada Espírito, encarnado ou não, é um mundo por si mesmo. Aquele que possui a mente alicerçada nas bases do amor emite forças equilibrantes e restauradoras para os trilhões de células de seu próprio organismo; quando perturbada, emite raios magnéticos do alto poder destrutivo para estas mesmas células” . Investigando se o ser recebe dos pais, características, enfermidades e disposições criminosas, ouve do instrutor: “O organismo provém do corpo dos pais, que lhes dando a vida, porém, as tendências que cercam cada um desde os primeiros dias, pelo ambiente a que foi chamado a viver ou pelo tipo de corpo com que nasceu, afeta-o mais ou menos, pela força do livre Renascer ou Reencarnar? arbítrio. As qualidades resultam da luta e do esforço individual... Herda-se tendências, nunca qualidades! Se o Espírito reencarnante atém-se a tendências inferiores desenvolvê-las-á, ao reencontrá-las na nova experiência humana, perdendo um tempo precioso, menosprezando o sublime ensejo de crescimento. Se, ao contrário, luta pela auto-elevação, conseguirá sobrepor-se à exigências menos nobres do corpo, da família ou do ambiente, triunfando sobre as condições adversas. Por isto é que ninguém pode se queixar de forças destruidoras ou circunstancias asfixiantes do círculo em que renasceu. As minúcias anatômicas se desenvolverão de acordo com a lei de hereditariedade, a depender dos cromossomos paternos e maternos, da influência dos moldes mentais da mãe, da atuação do reencarnante e dos Espíritos Construtores, verdadeiros funcionários da Natureza Divina. Aprende que reencarnamos para trabalhar os defeitos morais que trazemos de outras vidas; deficiência mental, doenças, famílias difíceis, muitas vezes são necessárias para nosso aprendizado. Por isso, o mapa de provas é estudado e organizado com antecedência; com a cooperação fisiológica dos pais, do lugar e do lar em renasce e a ajuda que lhe será prestada pelos amigos espirituais. Renascer na versão popular ou reencarnar, na versão espírita, nos propicia independência relativa, pois não suprime o livre arbítrio em sua luta pela elevação, estacionamento ou queda. A nova tarefa é sempre concorde com possibilidades, podemos muitas vezes ultrapassar ou não ser cumprida adequadamente. André nos alerta para o fato de que muitas vezes nos alimentamos de formas mentais, que se valem da capacidade de absorção do perispírito, o que nem sempre percebemos. E que esse alimento mental – vibração, energia mental – nos é trazido por aqueles com quem convivemos, acrescido com o magnetismo pessoal de cada um, o que influi, se não dominamos nossas emoções, nos estados de felicidade ou desgosto, de prazer ou sofrimento, porque essa energia mental aloja-se e se somatiza em nosso corpo. È quando sentimos perturbações do fígado depois de um atrito verbal, mal estar ante uma notícia ruim, e até mesmo nas grandes alegrias inesperadas. Porque a desarmonia orgânica mesmo quando tudo é felicidade?... “É que em tais oportunidades se recebe certa quantidade de força mental, como o fio recebe a carga de eletricidade positiva. O ponto de recepção está efetivamente no cérebro, mas se a criatura não possui o controle de suas emoções, permitirá que uma força perturbadora se instale dentro de si mesmo, na parte mais profunda das células orgânicas, com grande prejuízo para as partes mais frágeis e vulneráveis em seu organismo.” André continua as minúcias surpreendentes deste relato onde barreiras inúmeras tiveram que ser travadas e vencidas a fim de que se processasse o reencarne de Segismundo para que uma nova oportunidade, dentro de um encontro familiar, pudesse desenvolver a compreensão, o perdão e finalmente o amor entre estes três seres em evolução e resgate. Finalizando queremos ressaltar que esta obra espetacular tem muitíssimo mais a acrescentar em ensinamentos e informações. Aquele que só se ater a este artigo ficará com apenas uma fatia desta maravilha! Vale a leitura total deste livro ímpar, que por bondade de André Luiz e de nosso bom e querido Chico, foi-nos possível viajar nas imensas maravilhas da reencarnação à nós concedida por misericórdia de Deus.
http://nossolar.org.br/